Blogia
Una Mujer Estresada

Lágrima

Cheia de penas... cheia de penas me deito,
e con mais penas, con mais penas me levanto
no meu peito, já me ficou no meu peito
este jeito, o jeito de querer tanto.

Desespero... tenho por meu desespero
dentro de mim, dentro de mim o castigo.
eu não te quero, eu digo que não te quero
e de noite... de noite sonho contigo.

Se considero que um dia hei-de morrer
no desespero que tenho de te não ver
estendo o meu xaile, estendo o meu xaile no chão
Estendo o meu xaile, e deixo-me adormecer

Se eu soubesse... se eu soubesse que morrendo
tu me havias, tu me havias de chorar
por uma lágrima... por uma lágrima tua
que alegría, me deixaria matar

"Desde que existe a morte, imediatamente a vida é absurda. Sempre pensei assim."

Amália da Piedade Rodrigues
¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres

2 comentarios

Anónimo -

Es un fado.. y si, así leído queda muy triste, pero escuchado es muuuuy bonito :9

Yo tb te voy a enlazar ¡y espero leerte a menudo! Un besote wapa :)
¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres

Vero -

Qué triste la poesía...
Te voy a enlazar para leerte :D saludos galeguiña! jeje
¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres